Amiguinhos Amados

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Bichinhos - Para pensar hoje

                                                                            


Impossível escapar desse olhar infeliz, telepaticamente me disse que esperava a morte, e sem poder evitar, senti minha respiração falhar.
 
Estava encolhido na rua, encostado na parede protetora, sem ninguém, sem comida, sem coleira, sem laços, sem motivos, vivendo sem viver. Enchi uma vasilha de água, e a coloquei um pouco longe dele, ao final, humana desconfiada, tinha medo... Quase sem forças levantou-se, e com muita dificuldade conseguiu chegar até a água, bebeu e voltou ao seu lugar.
 
Mil vontades me invadiram, pegar ele no colo e levar para casa, passar a mão na sua cabeça, mas alguma coisa me deteve. Subi no meu carro, e olhando seus olhos tristes,fui embora, meus próprios olhos cheios de lágrimas, meu coração em pedaços... Sabia que o destino está nas nossas mãos, mas isso não era desculpa para abandoná-lo a sua sorte.
 
Compreendi, de repente, que me via espelhada nele, e chorei...eu também tinha me sentido abandonada,  querendo morrer, eu também tinha vivido sem querer viver, nos piores momentos da minha vida, somente eu e Deus, amigos, família, estavam longe de saber ou sentir ou me proteger de minha autodestruição.
 
O instinto de sobrevivência, meu amor próprio ou a voz de Deus dentro de mim, falou mais alto e aos poucos fui vislumbrando soluções, encontrando dentro de mim forças, vontades, desejos. Aquele cachorro era eu mesma, abandonada, ele devia achar sua força e querer viver. Senti que não tinha feito a minha parte, mas minha intuição falou que eu tinha ouvido esse coração em agonia, e ele sabia.
 
Fiquei sabendo que o cachorro, que tinha sido atropelado, estava melhorando e sendo alimentado. Procurei por ele muitas vezes, mas não consegui achá-lo, ele, como eu, tinha se levantado e impulsionado, talvez, por uma força divina, voltado a vida.
                                                   
Autoria: Vivian Raquel Waserman Riss
                       
       

7 comentários:

  1. Fiquei muito emocionada lendo o relato, por que semana passada passei por uma situação parecida, vendo um cãozinho perdido na rua, tive muita vontade de pega-lo mas eu estava em cima da hora p um exame marcado a meses que eu não podia deixar passar, no entanto a imagem do pobrezinho não me sai da cabeça desde então, fiquei culpada por não ter ajudado, e espero sinceramente que o destino tenha lhe reservado sorte melhor! Bjoooosss

    ResponderExcluir
  2. Eu me deparo com isso diariamente. Fico numa situação difícil, mas vou tentando ajudar da maneira que posso.

    ResponderExcluir
  3. Triste e tão tocante! Ficamos quase sem palavras! Vocês acompanharam o caso daquela louca daqui de POA que agrediu um poodle com pontapés e ainda ensinava o filho? Coisa horrível! beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Verena,essa história é mesmo verdadeira!Quantas vezes já não passei por essa situação!Triste demais mas, ainda bem que ele se salvou no final.Bjs,

    ResponderExcluir
  5. Essa foi uma história muito poderoso. Você nunca sabe quando você pode salvar uma vida apenas por um ato de bondade.

    ResponderExcluir
  6. Querida Verena, queria eu as vezer ser fada ou talvez mágica pra poder tirar toda dor daqueles anjos que sofrem nas ruas. Eu me comovo demais e as vezes fico sem dormir a noite pensando que estão com frio ou na chuva... quando passo e posso ajuda-los eu o faço. Não me contenho e acabo até os trazendo pra casa, cuido, dou remédio e depoius não sei o que fazer, acabam ficando por aqui na frente da casa. É difícil entender porque os maltratam se são só amor!!
    Querida amiga, isso é muito triste.
    Um grande abraço com todo meu carinho pra você. Fique com DEUS

    ResponderExcluir
  7. Muito triste! Tomara que esteja bem agora.
    Lambeijos!

    ResponderExcluir

Volte Sempre
Lambeijos e Ronrons
Pepi,Xixo,Juja e Jujuba