Amiguinhos Amados

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Bichinhos - "Eu jamais vou fazer isso"

Até alguns anos atrás, eu costumava dizer frases como “eu jamais vou fazer isso” ou “nem morta eu faço aquilo”, limitando minhas possibilidades de descoberta e emoção. Não é fácil libertar-se do manual de instruções que nos autoimpomos. Às vezes, leva-se uma vida inteira, e nem assim conseguimos viabilizar esse projeto. Por sorte, minha ficha caiu há tempo.
Começou quando iniciei um relacionamento com alguém completamente diferente de mim, diferente a um ponto radical mesmo: ele, por si só, foi meu primeiro “nunca imaginei um dia”. Feitos para ficarem a dois planetas de distância um do outro. Mas o amor não respeita a lógica, e eu, que sempre me senti tão confortável num mundo planejado, inaugurei a instabilidade emocional na minha vida. Prendi a respiração e dei um belo mergulho.
A partir daí, comecei a fazer coisas que nunca havia feito. Mergulhar, aliás, foi uma delas. Sempre respeitosa com o mar e chata para molhar os cabelos, afundei em busca de tartarugas gigantes e peixes coloridos no mar de Fernando de Noronha. Traumatizada com cavalos (por causa de um equino que quase me levou ao chão quando eu tinha oito anos), participei da minha primeira cavalgada depois dos 40, em São Francisco de Paula. Roqueira convicta e avessa a pagode, assisti a um show do Zeca Pagodinho na Lapa. Para ver o Ronaldo Fenômeno jogar ao vivo, me inflitrei na torcida do Olímpico num jogo entre Grêmio e Corinthians, mesmo sendo colorada. Meu paladar deixou de ser monótono: comecei a provar alimentos que nunca havia provado antes. E muitas outras coisas vetadas por causa do “medo do ridículo” receberam alvará de soltura. O ridículo deixou de existir na minha vida.
Não deixei de ser eu. Apenas abri o leque, me permitindo ser um “eu” mais amplo. E sinto que é um caminho sem volta.
Um mês atrás participei de outro capítulo da série “Nunca imaginei um dia”. Viajei numa excursão, eu que sempre rejeitei essa modalidade turística. Sigo preferindo viajar a dois ou sozinha, mas foi uma experiência fascinante, ainda mais que a viagem não tinha como destino um país do circuito Elizabeth Arden (Paris-Londres-Nova York), mas um país africano, muçulmano e desértico. Aliás, o deserto de Atacama, no Chile, será meu provável “nunca imaginei um dia” de 2010.
E agora cometi a loucura jamais pensada, a insanidade que nunca me permiti, o ato que me faria merecer uma camisa-de-força: eu, que nunca me comovi com bichos de estimação, adotei um gato de rua. Pode colocar a culpa no espírito natalino: trouxe um bichano de três meses pra casa, surpreendendo minhas filhas, que já haviam se acostumado com a ideia de ter uma mãe sem coração. E o que mais me estarrece: estou apaixonada por ele.
Ainda há muitas experiências a conferir: fazer compras pela internet, andar num balão, cozinhar dignamente, me tatuar, ler livros pelo kindle, viajar de navio e mais umas 400 coisas que nunca imaginei fazer um dia, mas que já não duvido. Pois tem essa também: deixei de ser tão cética.
Martha Medeiros

13 comentários:

  1. que texto legal! Sim, precisamos nos permitir mais coisas na vida, vale a pena tentar o que sempre se quis fazer.
    Bjos, bom fds!

    ResponderExcluir
  2. Que delícia de texto.Martha é sensacional e fala como se ao nosso lado estivesse! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Gostei desse texto,Verena! Eu confesso que sou meio trancada em certas mudanças,mas agora vou repensar muitas coisas! Ela tem tod razão! bjs,

    ResponderExcluir
  4. É preciso ter coragem pra mudar. Lindo texto!

    Bjs, Nèia

    ResponderExcluir
  5. Vale a pena mudar sempre para melhor!!

    Beijos!!!!!! Ótima semana!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Lindo texto da Martha!
    Um feliz sábado,
    beijinhos
    Pedro

    ResponderExcluir
  7. Este texto é lindo e corajoso, muitas vezes temos vergonha de nossos medos e inseguranças mas temos que enfrentar e ultrapassar obstáculos para encontrar a felicidade! Eu tenho muita vontade de fazer uma tatuagem da Rutha mas tenho medo de sentir dor...
    Beijos
    Laís e Pink

    ResponderExcluir
  8. Verena:
    Meus desejos e interesses sempre estiveram presentes em minha vida e com o alvará de soltura a pleno vapor, rsrsrssr.
    Bom final de semana.
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  9. Estou pensando na grandiosidade deste texto, é sem duvida um ensinamento .

    ResponderExcluir
  10. Olá Verena:
    Voltei, rsrsrsr.
    Mas dessa vez é pra agradecer seu voto no meu blog.
    Se tiver curiosidade em conferir o post de agradecimento que eu publiquei, acesse esse link:
    http://www.meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/2013/11/o-desconhecido-te-aguarda.html
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir
  11. Um belo texto e uma ótima liçao de vida, devemos agir sem preconceitos, aberta as diversas possibilidades.
    Um bom domingo para voce.
    beijos

    ResponderExcluir
  12. Espero que a sua mudança seja proveitosa e de grande valia para voce, assim como foi a minha por amor aos animais. Bjs!

    ResponderExcluir
  13. Verena
    Eu sempre digo agora: "Nunca diga nunca", pois estamos a todo momento mudando de ponto de vista. Amei a sua postagem com Martha Medeiros.
    Linda foto dos queridos bichinhos.
    Beijos.

    ResponderExcluir

Volte Sempre
Lambeijos e Ronrons
Pepi,Xixo,Juja e Jujuba