Amiguinhos Amados

domingo, 8 de maio de 2016

Bichinhos - Mãe e avó


O meu primeiro Dia das Mães, como Mãe e Avó, foi repleto de alegria e emoção. 
Pude desfrutar da companhia dos meus filhos e netinha e fui paparicada ao extremo.
Obrigada, meus queridos!
Vocês me proporcionaram um dia inesquecível.

Espero que todas  tenham aproveitado bem este dia.
Maravilinda nova semana, meus queridos.
Um abraço de
Verena e Bichinhos


A invisibilidade materna!
Nestes últimos tempos alguns amigos perderam suas mães, dor essa sem possibilidade de remendo.
Questionei: E mãe se perde?
Desde nosso nascimento este personagem materno se faz presente, simbiótico, nos nutrindo sem deixar que sequer se aproxime uma possibilidade de falta.
Mãe não trabalha pautada na falta e sim na sobra. Aquilo que excede pertence a mãe. Se eu disser que aquele x alimento é gostoso, vou encontrar 10 na minha geladeira...vai que falta!
Mãe entra em nossa vida ( ou somos nós que entramos na dela?) e ali se instala sem data de validade. Muitas vezes o produto estraga! A relação faz com queiramos fazer uma doação :
”Voce tem mãe? Nào? Quer a minha? “
Geralmente esta fase se dá quando estamos buscando um encontro com a gente mesmo e precisamos nos livrar das influencias maternas (e paternas também) para podermos tentar organizar ou enxergar quem somos ou pensamos ser.
Tempos depois , mais organizados ou não, muitos nunca atingem essa meta, percebemos que coisas ditas e rechaçadas surgem como profecia.
Ah! Boca maldita essa materna!
Crescemos, retomamos, mudamos o lugar da relação e de cuidados passamos a cuidadores. Queremos mandar, decidir e sabemos o que é melhor para elas (doce vingança?)
Será?
Creio que quando passamos a cuidar e sentimos o peso desta função, somos atingidos por alguns sentimentos de culpa pela nossa impaciência, pela nossa falta de tempo em estar perto , em ouvir e sobretudo nossa intolerância para com a não obediência (essa parte nos remete a teimosia da nossa infância).
Muitas vezes me pego dizendo:
“Voce já me disse isso 20 vezes ou Eu te falei, não lembra? “
E, depois reflito que os axônios e os neurônios dela já não fazem tantas sinapses, agora eles pegam o que podem.
Justifico então, toda essa impaciência como uma bela defesa psíquica diante da nossa própria dificuldade em constatar a fragilidade destas (para nós eternamente fortes) mulheres.
Talvez o ciclo da vida seja esse mesmo, perfeito como toda nossa existência, nos dando chance de vivenciar todas as possibilidades com este personagem.
De ser cuidado e de cuidar; de rejeitar e acolher; de ir e poder voltar.
Na verdade, somos nós que acompanhamos a vida de nossas mães, pois crescendo vamos observando o crescimento delas , suas mudanças, tais quais as nossas e através da nossa maternidade um novo ciclo recomeça e assim segue a vida.
Cheguei a conclusão que meus amigos não perderam suas mães, porque mãe não se perde.
Esta é uma real impossibilidade!
Elas estão desde sempre entranhadas em nossas veias, correndo dentro da nossa alma e apontando direções.
Elas não partem, trocam de lugar, se tornam invisíveis... e aí me dou conta que neste momento estão realizando o grande sonho da vida delas...ficarem invisíveis para estarem em todos os lugares que estamos para saber de tudo e não deixar que nada de mal nos aconteça.
O problema é que mesmo invisíveis...nós sabemos que elas estão ali. Sabemos que nunca sairão de perto, nunca nos abandonarão e que esta é a única relação que pode ter com justa causa o texto em latim :
Ad Eternum!
Feliz Dia das Mães para as visíveis e invisíveis!
Dra. Mônica Nicola
Psicanalista

9 comentários:

  1. Vou começar pelas fotos: lindas e mostrando momentos de amor e alegria vividos por lá! E o texto, lindo, profundo.Faz pensar!Adorei! ótima semana, beijos, chica

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto e fotos Verena.
    Eu passei um lindo domingo com minha filha e meu amado neto.
    Como é bom ser vovó.rs
    Bjs e uma ótima semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto, Verena!
    As fotos também expressam a felicidade desse encontro de almas que se chama "família".
    Sua neta é muito fofa, viu?

    Boa semana!

    Bjks

    ResponderExcluir
  4. Lindo post, com fotos de lindos momentos!
    Uma boa semana e, MÃE É MÃE! Viva o ontem, hoje e o amanhã de cada MÃE...
    Bj

    ResponderExcluir
  5. Família linda ,três gerações presentes querida amiga ,num lindo momento ,muitos beijinhos no coração.

    ResponderExcluir
  6. Mais do que merecido!!! Essa mãe vale ouro! Muito obrigada por todo o carinho também! Amamos muito você!

    ResponderExcluir
  7. Ter netos e família assim, é presente de Deus,
    curta muito esses momentos bonitos!
    bj

    ResponderExcluir
  8. Sua netinha está linda, parece que foi ontem que você anunciou o nascimento. Como tempo está voando né?

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  9. Olá Verena,
    Só cheguei agora aqui, mas fiquei maravilhada ao ver como Maria Luiza continua linda e está já uma menininha crescida!
    Um amor de bebé..
    Posso imaginar essa comemoração já como Vovó e rodeada de sua maravilhosa Família.
    Que Deus vos conceda muitas bênçãos.
    Beijinhos,
    Ailime.

    ResponderExcluir

Volte Sempre
Lambeijos e Ronrons
Pepi,Xixo,Juja e Jujuba